Hydro Thunder - Hurricane

Depois de versões para Arcade e Dreamcast em 1999, Hydro Thunder regressa para fazer ondas na consola da Microsoft. Com mais pistas, mais barcos, e mais atalhos para a vitória, as horas de jogo prometem acumular-se.

Onze anos passados, a Midway passou à Vector Unit Inc. a pasta do desenvolvimento do jogo. Apesar deste ser o primeiro jogo do estúdio, o background dos fundadores conta com experiência no género, em trabalhos como Blood Wake, outro jogo de condução de barcos em 2001, quando ainda trabalhavam nos estúdios da Stormfront. Não é por isso de estranhar que Hurricane seja um título favorecido pela experiência da equipa dentro do género.

Qualquer similaridade entre este jogo e a realidade é pura coincidência. Contem poder fazer saltos que desafiam a gravidade, sobreviver a quedas capazes de desintegrar qualquer tipo de veículo motorizado, enquanto viram para um lado e para o outro em pleno ar, sem esquecer a condução em águas rasas que mal chegariam para afogar uma pulga anã. Iniciando o jogo com uma pequena série de provas, pistas e barcos disponíveis, o jogo expande-se com cada vitória, abrindo caminho para barcos mais potentes e futuristas, e pistas recheadas de perigos, como os enormes monstros que nos obrigam a fazer desvios e a descobrir novos trajetos. O modo campanha conta com vários tipos de provas para além das típicas corridas contra os 16 barcos controlados artificialmente. Nele, podemos encontrar o modo Ring Master, e o Gauntlet. O primeiro modo equivale ao mais conhecido Time Attack, em que temos de cumprir checkpoints dentro de um tempo limite, com a adição de que a cada checkpoint o barco será automaticamente abastecido de power ups, no seu nível máximo. O segundo modo, coloca-nos a navegar por entre um mar de barris explosivos com as mesmas regras do modo anterior. Este é um modo interessante, que irá requerer alguma estratégia, e principalmente timing, para aproveitar algumas ondas que irão afundar os barris, proporcionando uma passagem segura sobre eles. Mas não esquecendo que se trata de um jogo arcade, a produtora aproveitou para incluir um muito bem vindo suporte de ecrã divido para 4 jogadores, e multiplayer online para 8 jogadores em simultâneo.

O gameplay é simples, intuitivo, e bastante viciante. Espalhados pelas pistas estarão power ups, que permitem dar um impulso temporário, com um efeito mais ou menos prolongado dependendo da cor destes, tendo o azul o efeito mais curto, e o laranja, o mais duradouro. São os power ups que possibilitam não só cortar as ondas com mais facilidade, mas também saltar, uma característica essencial para apanhar alguns dos mais potentes power ups. É importante fazer referência a um pequeno detalhe, o jogo não é aconselhado para quem sofre de vertigens, uma vez que as pistas dispõem de uma boa dose de verticalidade, empurrando-nos constantemente para enormes quedas, e saltos prolongados que nos permitem apreciar os detalhes visuais das áreas circundantes, enquanto tentamos desesperadamente fazer uma aterragem segura. Cada novo barco adicionado à lista de selecionáveis, conta com uma jogabilidade própria, facilmente notável ao fazer manobras, dando ao jogador uma verdadeira sensação variação ao nível do peso dos veículos.

Com 10 barcos e 8 pistas, com múltiplas variantes de percursos e acontecimentos específicos, e um modo multiplayer que, apesar de leve em termos de opções online, conta com a agora rara característica de jogo em ecrã dividido em 4 para jogar offline, Hydro Thunder – Hurricane apresenta uma boa profundidade para um jogo do género. Para aqueles que jogaram a versão Arcade ou Dreamcast, Hurricane será uma viagem nostálgica ao passado, onde a simplicidade era rainha, proporcionando curtos minutos de extrema diversão a solo ou com amigos. Este é mais um exemplo de que um jogo construído sobre bases sólidas é intemporal, e que Hydro Thunder continua com os motores quentes e prontos a rasgar ondas.

Componente Pontuação
Gráficos 8.0
Som 8.0
Jogabilidade 8.5
Longevidade 8.5
Dificuldade 8.0
Nota Final 8.5
Ver mais informações sobre o sistema de pontuação


01 Julho 2013 | gestor
  Voltar

Comentários

Please Login to comment.